Cookie Consent by Free Privacy Policy website Citologia | Núcleo Celular Pular para o conteúdo principal

Citologia | Núcleo Celular

Descoberto pelo pesquisador escocês Robert Brown (1773- 1858), o núcleo representa o centro de comando da célula, pois controla todo o seu funcionamento. O metabolismo celular e as características internas ou externas de um indivíduo são determinadas por ação do material genético que se encontra no interior do núcleo. Sem esse centro de comando, a célula morre.


Figura 1 - Representação de células.
(Fonte: https://bit.ly/2DtTldG).

NÚCLEO

Na aula anterior, observamos as características e o funcionamento do DNA. Explicamos como essa molécula é capaz de conter informações e fazer com que estas se manifestem. Entretanto, essa capacidade de comandar o funcionamento celular só está ativa enquanto o material genético permanecer no seu formato filamentar (cromatina), o que possibilita a leitura da sequência de bases nitrogenadas para a produção de proteínas.

Acromatina possui regiões totalmente filamentares denominadas eucromatina e outras que já possuem uma leve condensação, a heterocromatina. A associação da cromatina com as proteínas histonas forma o cromossomo. Cada cromossomo é composto por duas cromátides, sendo portanto, um cromossomo duplicado. As cromátides estão interligadas por um centrômero que, dependendo da sua posição, distinguem os cromossomos em Metacêntricos, Submetacêntricos, Telocêntricos e Acrocêntricos.



Figura 2 - Estruturação da cromatina ao cromossomo.
(Fonte: https://bit.ly/2DbhPqZ).


Classificação dos Cromossomos

Metacêntrico - Possui o centrômero localizado na porção mediana/central da cromátide, formando assim, braços de mesmo tamanho.

Submetacêntrico - Possui o centrômero deslocado do centro, formando braços de cromátides de tamanhos diferentes.


Figura 3 - Tipos de cromossomos segundo a posição do centrômero.
(Fonte: Elaborado pelo autor).

Acrocêntrico - Possui o centrômero localizado próxima à extremidade da cromátide, formando um braço longo e outro curto.

Telocêntrico - Possui o centrômero localizado da extremidade da cromátide, formando um único e longo braço. 

Classificação das Células quando ao Núcleo

A maioria das células dos organismos possui apenas um núcleo em seu interior, sendo caracterizadas como uninucleadas ou mononucleadas. Contudo, diversos outros padrões podem ser observados.

Células Anucleadas - São caracterizadas pela ausência de núcleo em seu interior. Tal fenômeno ocorre como consequência da perca proposital do núcleo, o que acarreta em um menor tempo de vida celular. Tal padrão pode ser observado em hemácias.

Células Binucleadas - São caracterizadas pela presença de dois núcleos, sendo comumente encontradas em hepatócitos e condrócitos, células do fígado e da cartilagem, respectivamente.

Células Multinucleadas/Polinucleadas - São caracterizadas pela presença de vários núcleos no interior de uma única célula. Podemos observar essa característica em algumas células musculares.
Núcleo Interfásico.

Basicamente, corresponde ao período que antecede uma divisão celular. Esse período está dividido em três etapas, G1, S e G2. Os períodos G1 e G2 representam, respectivamente, os estágios anterior e posterior ao da duplicação do DNA, o período S. Alguns autores descrevem a existência de um período G0 (G-zero), correspondente à período de tempo indeterminado em que uma célula permanece na iminência de iniciar uma interfase.



Figura 4 - Ciclo celular com destaque para as etapas do núcleo interfásico.
(Fonte: https://bit.ly/2DuPe0O).

No que se refere à quantidade de material genético nuclear, o período G1 representa, então, o estágio em que a célula mantêm seu padrão normal de DNA, enquanto o período G2 apresenta uma quantidade dobrada.


Cromatina Sexual

As células humanas normais possuem um cariótipo composto por um total de 23 pares de cromossomos, sendo 22 autossomos e 1 sexual. Homens normais possuem cariótipo 44A, XY e mulheres normais são 44A, XX.

Os cromossomos autossomos possuem genes que determinam as características não relacionadas ao sexo de um organismo. Por outro lado, os cromossomos sexuais conferem as características que diferenciam os sexos masculino e feminino.

Os homens possuem os cromossomos sexuais XY, sendo considerados, por isso, o sexo heterogamético, ou seja, aquele que produz gametas diferentes. Mulheres possuem dois cromossomos X e, por isso, formam gametas iguais em relação às esses cromossomos, sendo, então, o sexo homogamético. Apesar de possuírem dois cromossomos X, apenas um deles permanece ativo. O cromossomo X inativo (condensado) presente nas células femininas é denominado como cromatina sexual ou Corpúsculo de Barr.

Finalizo aqui esse artigo. Espero que ele tenha despertado em você um interesse cada vez maior pelo funcionamento de nossas células. Bons estudos e um grande abraço.


Referência

ALBERTS, B. et al. Biologia molecular da célula. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisiologia | Sistema Reprodutor Feminino

Diferentemente do aparelho genitourinário masculino, o sistema feminino é destinado exclusivamente para a reprodução, pois a uretra feminina conduz apenas urina, ou seja, é uma estrutura do sistema urinário. Um canal independente é utilizado para a cópula e para a saída do feto durante o parto, o canal vaginal. Contudo, vamos iniciar nossos estudos com a anatomia externa do órgão reprodutivo feminino e, em seguida, passaremos para os órgãos internos. Na anatomia externa do sistema reprodutivo feminino, encontramos a vulva ou pudendo feminino. Esta estrutura corresponde à zona erógena do aparelho feminino, sendo formada por uma grande dobra de pele, os grandes lábios ou lábios maiores. Essa dobra de pele recobre as demais estruturas externas. Logo abaixo do grandes lábios, encontra-se uma segunda dobra de pele, os pequenos lábios ou lábios menores. No topo dos pequenos lábios é possível visualizar o clitóris, área erógena de grande sensibilidade. Os pequenos lábios recobrem a

Fisiologia | Sistema Reprodutor Masculino

O sistema reprodutor masculino ou aparelho geniturinário, é assim denominado por ser compartilhado entre dois sistemas, o genital e o excretor ou urinário. Contudo, abordaremos a porção reprodutiva neste momento. Essa porção é composta pelo pênis e o escroto, externamente, e por órgãos internos como a próstata, testículos e ductos seminais. O pênis é o órgão de cópula, possuindo em sua extremidade uma porção dilatada, a glande. No interior do pênis existem três responsáveis pela ereção, dois corpos cavernosos, localizados lateralmente e, na porção mediana, o corpo esponjoso. Este último está posicionado ao redor da uretra. Com o estímulo sexual, os três corpos se enchem com sangue, promovendo assim, a ereção do pênis. O corpo esponjoso se estende na extremidade do pênis, formando a glande. Essa região possui grande sensibilidade à estimulação sexual e está protegida por uma camada de pele denominada prepúcio. Em algumas situações, o prepúcio é muito estreito para a passagem da

Zoologia | Morfologia de Insetos

Os insetos possuem uma grande variedade de estruturas corporais que se reflete em um incrível diversificação de formas e tamanhos. Neste artigo, abordaremos essa diversidade, expondo alguns dos tipos e funcionamentos dos aparelhos bucais, tipos de antenas, asas e pernas. Figura 1 - Anatomia externa da cabeça de um inseto. (Fonte: https://bit.ly/2OgnQow). Comecemos nossa descrição com os tipos de aparelhos bucais dos insetos, os quais são formados por uma série de estruturas denominadas Apêndices Bucais que possuem sensoriais e mecânicas relacionadas à alimentação. Tipos de aparelho bucal Mastigador - Possui mandíbulas, estruturas adaptadas ao corte e que podem ser superdesenvolvidas (Figura 1). Figura 2 - Aparelho bucal sugador labial não-pungitivo (A) e pungitivo (B). (Fonte: https://bit.ly/2qfgOXv). Sugador - Possui uma Probóscide, tubo formado pela união de duas peças maxilares modificadas. Esse aparelho pode ser Não-pungitivo (Figur