Cookie Consent by Free Privacy Policy website Zoologia | Mammalia Pular para o conteúdo principal

Zoologia | Mammalia

Os mamíferos são incríveis animais que se alimentam de leite durante a infância, podendo ser encontrados nos mais diversos tipos de ambientes, seja ele aquático ou terrestre. Algumas espécies de mamíferos podem até mesmo voar.

A produção de leite é, definitivamente, a principal característica desse grupo tão diverso. O leite é produzido pelas glândulas mamárias, estruturas exclusivas desse grupo de organismos. Entretanto, diversos outros tipos de glândulas podem ser observadas nos mamíferos. Dentre elas, destacam-se as glândulas sudoríparas, sebáceas, odoríferas e muitas outras. Algumas dessas glândulas podem se apresentar de forma mais enfática do que outras, dado o modo de vida de cada espécie.


Figura 1 - Mamífero aquático.
(Fonte: pixabay)

As glândulas odoríferas, por exemplo, possuem funções tipicamente relacionadas à sinalização química relativa à demarcação de território, atração de parceiros sexuais e liderança. Outra característica muito comum em mamíferos é a presença de pelos. Entretanto, algumas espécies apresentaram uma redução significativa da quantidade de pelos no corpo.

Como exemplo disso, podemos observar as espécies de mamíferos aquáticos, como o golfinho e o peixe-boi. Contudo, não significa que todos os mamíferos aquáticos passaram a ter pele lisa. Muitos deles mantiveram sua pelagem (Figura 1). Esses pelos auxiliam na regulação térmica desses animais.



Figura 2 - Coração de mamíferos.
(Fonte: Life - The Science of Biology).

De forma geral, os mamíferos seguem o mesmo padrão observado no cordados. Em sua fisiologia, eles possuem um sistema nervoso centralizado, uma circulação dupla, fechada e completa (Figura 2), uma excreção feita por rins, uma respiração pulmonar e um sistema digestório completo, além de possuírem reprodução sexuada.

O coração dos mamíferos é tetracavitário, ou seja, formado por duas aurículas e dois ventrículos. A circulação completa promove grande eficácia no sistema, permitindo a homeotermia nesses animais. No que diz respeito a excreção, os mamíferos são essencialmente ureotélicos, ou seja, excretam ureia em sua urina.


Figura 3 - Canguru, um marsupial com filhote na bolsa.
(Fonte: https://bit.ly/2Td6WdX).

Abordando um pouco mais a reprodução desses animais, observamos padrão interessante que foi utilizado na classificação desses organismos. A maioria dos mamíferos é placentária, alguns são marsupiais e, uma pequena parte, é ovípara.

Os placentários são mamíferos vivíparos, que gestam suas crias em um útero. Quando nascem, possuem todas as características de um adulto, tendo apenas que crescer. Como exemplo, podemos citar, os cães, gatos e o homem.

Os marsupiais são mamíferos detentores de uma bolsa, o marsúpio. Essa bolsa pode estar presente durante toda a vida adulta do animal, ou apenas em um período reprodutivo dela. Esses mamíferos são conhecidos como placentários imperfeitos, pois iniciam o seu desenvolvimento em um placenta e o concluem no marsúpio.


Figura 4 - Marsupial arborícola, coala.
(Fonte: https://bit.ly/2zQ6VUg).

Isso mesmo, o embrião inicia sua forma no útero e, com sua formação inacabada, movimenta-se pelo canal vaginal em direção ao ambiente externo e, por entre os pelos da fêmea, arrasta-se até o marsúpio onde encontrará uma teta. Dentro do marsúpio, ele completa seu desenvolvimento mamando. Como exemplo de marsupial, podemos citar os cangurus (Figura 3) e o coala (Figura 4).

No último grupo, os mamíferos ovíparos, temos como representantes vivos o ornitorrinco (Figura 5) e a equidna. Esses animais demonstram a nossa ancestralidade dos répteis. Isso mesmo, assim como as aves, os mamíferos são descendentes de répteis.



Figura 5 - Ornitorrinco.
(Fonte: https://bit.ly/2OILDxn).

A equida (Figura 6) é caracterizada pelo seu longo focinho e pela presença de uma grande quantidade de espinhos, similares aos do porco-espinho. Contudo, são animais bem distintos.



Figura 6 - Equidna, um mamífero ovíparo.
(Fonte: https://bit.ly/2RXhYTi).

Classificação dos Mamíferos

Eutheria - Placentários verdadeiros.

Prototheria - Ovíparos.

Metatheria - Marsupiais.


Finalizamos aqui nosso artigo. Espero que as informações tenham sido úteis. Bons estudos. Um grande abraço.



Referência

POUGH, F. H. et alA vidas dos vertebrados. 4ª Ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisiologia | Sistema Reprodutor Feminino

Diferentemente do aparelho genitourinário masculino, o sistema feminino é destinado exclusivamente para a reprodução, pois a uretra feminina conduz apenas urina, ou seja, é uma estrutura do sistema urinário. Um canal independente é utilizado para a cópula e para a saída do feto durante o parto, o canal vaginal. Contudo, vamos iniciar nossos estudos com a anatomia externa do órgão reprodutivo feminino e, em seguida, passaremos para os órgãos internos. Na anatomia externa do sistema reprodutivo feminino, encontramos a vulva ou pudendo feminino. Esta estrutura corresponde à zona erógena do aparelho feminino, sendo formada por uma grande dobra de pele, os grandes lábios ou lábios maiores. Essa dobra de pele recobre as demais estruturas externas. Logo abaixo do grandes lábios, encontra-se uma segunda dobra de pele, os pequenos lábios ou lábios menores. No topo dos pequenos lábios é possível visualizar o clitóris, área erógena de grande sensibilidade. Os pequenos lábios recobrem a

Fisiologia | Sistema Reprodutor Masculino

O sistema reprodutor masculino ou aparelho geniturinário, é assim denominado por ser compartilhado entre dois sistemas, o genital e o excretor ou urinário. Contudo, abordaremos a porção reprodutiva neste momento. Essa porção é composta pelo pênis e o escroto, externamente, e por órgãos internos como a próstata, testículos e ductos seminais. O pênis é o órgão de cópula, possuindo em sua extremidade uma porção dilatada, a glande. No interior do pênis existem três responsáveis pela ereção, dois corpos cavernosos, localizados lateralmente e, na porção mediana, o corpo esponjoso. Este último está posicionado ao redor da uretra. Com o estímulo sexual, os três corpos se enchem com sangue, promovendo assim, a ereção do pênis. O corpo esponjoso se estende na extremidade do pênis, formando a glande. Essa região possui grande sensibilidade à estimulação sexual e está protegida por uma camada de pele denominada prepúcio. Em algumas situações, o prepúcio é muito estreito para a passagem da

Zoologia | Morfologia de Insetos

Os insetos possuem uma grande variedade de estruturas corporais que se reflete em um incrível diversificação de formas e tamanhos. Neste artigo, abordaremos essa diversidade, expondo alguns dos tipos e funcionamentos dos aparelhos bucais, tipos de antenas, asas e pernas. Figura 1 - Anatomia externa da cabeça de um inseto. (Fonte: https://bit.ly/2OgnQow). Comecemos nossa descrição com os tipos de aparelhos bucais dos insetos, os quais são formados por uma série de estruturas denominadas Apêndices Bucais que possuem sensoriais e mecânicas relacionadas à alimentação. Tipos de aparelho bucal Mastigador - Possui mandíbulas, estruturas adaptadas ao corte e que podem ser superdesenvolvidas (Figura 1). Figura 2 - Aparelho bucal sugador labial não-pungitivo (A) e pungitivo (B). (Fonte: https://bit.ly/2qfgOXv). Sugador - Possui uma Probóscide, tubo formado pela união de duas peças maxilares modificadas. Esse aparelho pode ser Não-pungitivo (Figur