Cookie Consent by Free Privacy Policy website Zoologia | Phylum Chordata Pular para o conteúdo principal

Zoologia | Phylum Chordata

Os cordados, juntamente com os equinodermos, são organismos deuterostômios. Como representantes deste grupo, destacam-se animais invertebrados (Protocordados) e vertebrados (Ciclostomados, Peixes, Anfíbios, Répteis, Aves e Mamíferos).

Resultado de imagem para cauda pósanal

Figura 1 - Embrião com cauda pós-anal.
(Fonte: https://goo.gl/mr6LZn).

Os cordados são animais triblásticos celomados de vida livre ou parasitária (Lampreias). Esses animais podem ser aquáticos ou terrestres e apresentam diversas características embrionárias em comum, dentre as quais, podemos destacar a presença de notocorda, primeiro eixo de sustentação do embrião, estando presente apenas nessa fase da vida na maioria dos cordados.




Figura 2 - Diversidade de cordados vertebrados.
(Fonte: http://voupassar.club/).

Dentre as características embrionárias, destacam-se ainda, a presença de uma cauda pós-anal, que em algumas espécies se desenvolve em uma cauda ou rabo, enquanto em outras, como nós, regride. Os cordados possuem, também, a presença de membranas interdigitais e fendas faríngeas.

Resultado de imagem para membranas interdigitais

Figura 3 - Membranas interdigitais.
(Fonte: https://goo.gl/6GVj9w).

Todos os cordados possuem um sistema nervoso centralizado, localizado em posição dorsal, e uma sistema circulatório fechado, localizado em posição ventral. Esse padrão de posicionamento dos sistemas se apresenta de forma oposta em relação aos demais filos abordados anteriormente, com um sistema nervoso ventral e um circulatório dorsal (artrópodes, por exemplo). A circulação dos cordados pode ser simples ou dupla e, ainda, completa ou incompleta.

O tipo de sistema respiratório dos cordados pode variar de acordo com as espécies e, consequentemente, com os seus modos de vida. Podem ser observados animais com respiração branquial, cutânea ou pulmonar.

Os protocordados, anfioxo e ascídias (tunicados), possuem respiração branquial, realizado por meio das fendas faríngeas ou branquiais, estruturas vascularizadas que auxiliam tanto na filtração da água para a obtenção de alimento, quanto nas trocas gasosas para a respiração. Para tal, as ascídias possuem dois sifões (Figura 1), um inalante (bucal/oral) e outro exalante (atrial), por onde a água entra e sai do corpo do animal, respectivamente.


Figura 4 - Anatomia interna de tunicado, uma ascídia.
(Fonte: http://www.dorrypets.co.za/).

A respiração branquial evoluiu espantosamente em anfíbios e peixes, enquanto a respiração pulmonar o fez em répteis, aves e mamíferos como consequência da adaptação ao ambiente terrestre. Já a cutânea, pode ser muito bem observada entre os anfíbios.

Todos os cordados são detentores de um sistema digestório completo e um sistema excretor formado por rins. Algumas espécies realizam a excreção prioritariamente por meio da faringe (Tunicados), ou a utilizam de forma secundária (Peixes), auxiliando a manutenção do seu equilíbrio osmótico.

No que se refere à reprodução, os cordados podem possuir um desenvolvimento direto ou indireto, sendo essencialmente sexuados. Contudo, os tunicados representam uma exceção, pois apresentam reprodução assexuada, formando brotos que darão origem à uma colônicas desses animais.


Classificação dos cordados

Subfilo Urochordata - Ex: Ascídias.
     Classe Ascidiacea
     Classe Thaliacea
     Classe Appendicularia

Subfilo Cephalochordata - Ex: Anfioxo.

Subfilo Craniata/Vertebrata

Infrafilo Agnatha/Ciclostomata - Sem mandíbula. Ex: Lampreias

Infrafilo Gnathostomata - Com mandíbula.
     Superclasse Pisces - Ex: Peixes ósseos e cartilaginosos.
     Classe Amphibia - Ex: Sapos e Salamandras.
     Classe Reptilia - Ex: Cobras, Lagartos e Tartarugas.
     Classe Aves - Ex: Pássaros, Gaviões e Emas.
     Classe Mammalia - Ex: Cães, Gatos, Elefantes e Homens.

Esse artigo representa uma pequena introdução ao estudo dos cordados. Cada um dos principais grupos citados aqui será abordado separadamente, fornecendo informações complementares que irão aprofundar seus conhecimentos sobre o tema. Até o próximo artigo, bons estudos.


Referência

POUGH, F. H. et al. A vidas dos vertebrados. 4ª Ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisiologia | Sistema Reprodutor Feminino

Diferentemente do aparelho genitourinário masculino, o sistema feminino é destinado exclusivamente para a reprodução, pois a uretra feminina conduz apenas urina, ou seja, é uma estrutura do sistema urinário. Um canal independente é utilizado para a cópula e para a saída do feto durante o parto, o canal vaginal. Contudo, vamos iniciar nossos estudos com a anatomia externa do órgão reprodutivo feminino e, em seguida, passaremos para os órgãos internos. Na anatomia externa do sistema reprodutivo feminino, encontramos a vulva ou pudendo feminino. Esta estrutura corresponde à zona erógena do aparelho feminino, sendo formada por uma grande dobra de pele, os grandes lábios ou lábios maiores. Essa dobra de pele recobre as demais estruturas externas. Logo abaixo do grandes lábios, encontra-se uma segunda dobra de pele, os pequenos lábios ou lábios menores. No topo dos pequenos lábios é possível visualizar o clitóris, área erógena de grande sensibilidade. Os pequenos lábios recobrem a

Fisiologia | Sistema Reprodutor Masculino

O sistema reprodutor masculino ou aparelho geniturinário, é assim denominado por ser compartilhado entre dois sistemas, o genital e o excretor ou urinário. Contudo, abordaremos a porção reprodutiva neste momento. Essa porção é composta pelo pênis e o escroto, externamente, e por órgãos internos como a próstata, testículos e ductos seminais. O pênis é o órgão de cópula, possuindo em sua extremidade uma porção dilatada, a glande. No interior do pênis existem três responsáveis pela ereção, dois corpos cavernosos, localizados lateralmente e, na porção mediana, o corpo esponjoso. Este último está posicionado ao redor da uretra. Com o estímulo sexual, os três corpos se enchem com sangue, promovendo assim, a ereção do pênis. O corpo esponjoso se estende na extremidade do pênis, formando a glande. Essa região possui grande sensibilidade à estimulação sexual e está protegida por uma camada de pele denominada prepúcio. Em algumas situações, o prepúcio é muito estreito para a passagem da

Zoologia | Morfologia de Insetos

Os insetos possuem uma grande variedade de estruturas corporais que se reflete em um incrível diversificação de formas e tamanhos. Neste artigo, abordaremos essa diversidade, expondo alguns dos tipos e funcionamentos dos aparelhos bucais, tipos de antenas, asas e pernas. Figura 1 - Anatomia externa da cabeça de um inseto. (Fonte: https://bit.ly/2OgnQow). Comecemos nossa descrição com os tipos de aparelhos bucais dos insetos, os quais são formados por uma série de estruturas denominadas Apêndices Bucais que possuem sensoriais e mecânicas relacionadas à alimentação. Tipos de aparelho bucal Mastigador - Possui mandíbulas, estruturas adaptadas ao corte e que podem ser superdesenvolvidas (Figura 1). Figura 2 - Aparelho bucal sugador labial não-pungitivo (A) e pungitivo (B). (Fonte: https://bit.ly/2qfgOXv). Sugador - Possui uma Probóscide, tubo formado pela união de duas peças maxilares modificadas. Esse aparelho pode ser Não-pungitivo (Figur