Cookie Consent by Free Privacy Policy website Zoologia | Phylum Nemathelminthes Pular para o conteúdo principal

Zoologia | Phylum Nemathelminthes

Os nematódeos são vermes de corpo cilíndrico e extremidades afiladas, um corpo fusiforme, com vida livre ou parasitária. As formas de vida parasitária são especialmente estudadas tendo em vista a sua grande propagação na espécie humana, sendo causadores de doenças muito conhecidas, as verminoses.

Resultado de imagem para nematoda

Figura 1 - Nematódeos.
(Fonte: https://planetabiologia.com/).

Esse animais possuem corpo cilíndrico graças a presença de uma cavidade com líquido, o pseudoceloma. Por serem triblásticos pseudocelomados, esses animais utilizam o pseudoceloma como esqueleto hídrico, pois irá conferir sustentação e forma ao seu corpo. 

No que se refere ao modo de vida, grande parte dos nematódeos são parasitas intestinas. Contudo, algumas espécies possuem a capacidade de se instalar em vasos sanguíneos e linfáticos dos hospedeiros.

Os hospedeiros adquirem parasitas intestinais pela ingestão de ovos do verme, enquanto os parasitas sanguíneos e linfáticos são adquiridos por meio de um inseto vetor, um hospedeiro intermediário hematófago, pois se alimenta de sangue.

Os ovos dos parasitas intestinais, quando ingeridos, liberam suas larvas no estômago. Estas conseguem sobreviver à acidez estomacal graças à presença de uma camada protetora, a cutícula, estrutura que recobre a epiderme do animal.


Figura 2 - Esquematização da anatomia de um nematódeo.
(Fonte: https://goo.gl/3qcVtG).

Os nematódeos são organismos com sistema digestório completo, sendo o primeiro grupo dos nossos artigos zoológicos à apresentar tal característica. Eles possuem respiração cutânea e não possuem sistema circulatório. Possuem, ainda, um sistema nervoso centralizado, formado por um anel periesofagiano, em outras palavras, um anel nervoso ao redor do esôfago (Figura 2).

A centralização do sistema nervoso induz uma simetria bilateral no corpo do animal. Eles possuem um sistema excretor formado por túbulos H, pois é formado por dois longos tubos localizados nas laterais do corpo do animal e que se conectam na porção anterior, lembrando o formato de uma letra agá (H).


Figura 3 - Anatomia interna em corte transversal de nematódeo.
(Fonte: https://goo.gl/fp3sxL).

Os canais excretores são comuns em espécies terrestres, podendo estar associados à glândulas excretoras que estão localizadas na região anterior do corpo do animal. No corte transversal de nematódeo (Figura 3), podemos observar todo o conjunto de órgãos que eles possuem.

No centro da Figura 3, observamos a presenta do sistema digestório. Acima e abaixo dele, observamos o ovário e o útero, respectivamente. No centro da região dorsal e ventral, existem os nervos longitudinais e, nas linhas medianas, esquerda e direita, existem os canais excretores que formam os túbulos H. Distribuídos perifericamente, logo abaixo da epiderme do animal, existe uma camada de músculos longitudinais conectados aos nervos dorsal e ventral do sistema nervoso.


Figura 4 - Cópula entre nematódeos.
(Fonte: https://goo.gl/1TjqLo).

No que diz respeito à reprodução. Os nematódeos são animais dioicos de fecundação cruzada e interna, além de possuírem um desenvolvimento indireto. O sistema reprodutor é formado por testículos e ovários. 

Durante a cópula, o macho envolve o corpo da fêmea, abraçando-a (Figura 4) e, em seguida, penetra em seu orifício genital com as espículas copulatórias, estruturas que irão facilitar a transferência dos espermatozoides.

Quando os vermes adultos copulam, dentro do intestino do hospedeiro, produzem milhares de ovos diariamente. Os ovos serão liberados juntamente com as fezes do hospedeiro. Em algumas espécies, os ovos podem eclodir no ambiente externo, liberando as larvas. Em outras, as larvas permanecem nos ovos até serem ingeridas por um hospedeiro.


Figura 5 - Filariose.
(Fonte: https://goo.gl/s28TdJ).

Na filariose (Figura 5), a espécia Wuchereria bancrofti invade o corpo do hospedeiro com o auxílio do inseto vetor, o Culex quinquefasciatus. O mosquito hematófago pica o hospedeiro e transmite para sua corrente sanguínea as larvas do parasita.

As larvas migram pela corrente sanguínea e linfática do hospedeiro, atingem a fase adulta e se reproduzem, formando microfilárias que irão, gradativamente, entupir os vasos linfáticos, interrompendo o fluxo da linfa e, assim, causando o acúmulo de líquidos, tornando-se perceptível com o inchaço nas pernas, típico da doença.

Quando um novo mosquito se alimentar do sangue de um hospedeiro infectado, irá contrair microfilárias. Estas passarão por sucessivos estágios larvares e migrarão para as glândulas salivares do mosquito, aguardando que este realize uma nova alimentação para que possam, assim, infectar um novo hospedeiro.


Figura 6 - Ancilostomose.
(Fonte: https://goo.gl/XZKHyB).

Na ancilostomose (Figura 6), os ovos liberados juntamente com as fezes do hospedeiro eclodem no solo, liberando as larvas infectantes. Essas larvas, pertencentes à espécie Ancylostoma duodenale, conseguem penetrar em um novo hospedeiro através da pele, o que pode ser evitando com a utilização de calçados.

Dentro do corpo do hospedeiro, as larvas migram pela corrente sanguínea até o intestino do hospedeiro, passando antes por vários órgãos. No intestino, as larvas alcançam a fase adulta e copulam, liberando ovos, fechando assim, o ciclo.

Dentre os órgãos visitados pelas larvas, destacamos o fígado, o estômago, o coração e os pulmões. Neste último, as larvas rasgam os capilares e alvéolos, subindo pelas vias aéreas (bronquíolos, brônquios e traqueia) até a glote, onde se comunica com o esôfago. As larvas passam, então, para o sistema digestório, descendo em direção ao intestino.

Para evitarmos verminoses como esta, devemos sempre mandar uma boa higiene pessoal, lavando as mãos e os alimentos antes das refeições. As prefeituras devem manter um bom sistema de saneamento básico, evitando a eliminação de dejetos humanos ao ar livre. Medida preventivas como estas, assim como a utilização de vermífugos ao menos duas vezes ao ano, são ação importantíssima para a manutenção da saúde coletiva.

Finalizo, aqui, este pequeno artigo que traz importantes informações sobre as características dos vermes nematódeos, bem como sobre os seus ciclos vitais. Espero que esse material seja valoroso em seus estudos.

Qualquer dúvida ou informação extra, deixe um comentário abaixo. Bons estudos.

Um grande abraço.


Referências

RUPPERT, E.E; BARNER, R. D. Zoologia dos Invertebrados. 6ª Ed. São Paulo: Roca,1996.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisiologia | Sistema Reprodutor Feminino

Diferentemente do aparelho genitourinário masculino, o sistema feminino é destinado exclusivamente para a reprodução, pois a uretra feminina conduz apenas urina, ou seja, é uma estrutura do sistema urinário. Um canal independente é utilizado para a cópula e para a saída do feto durante o parto, o canal vaginal. Contudo, vamos iniciar nossos estudos com a anatomia externa do órgão reprodutivo feminino e, em seguida, passaremos para os órgãos internos. Na anatomia externa do sistema reprodutivo feminino, encontramos a vulva ou pudendo feminino. Esta estrutura corresponde à zona erógena do aparelho feminino, sendo formada por uma grande dobra de pele, os grandes lábios ou lábios maiores. Essa dobra de pele recobre as demais estruturas externas. Logo abaixo do grandes lábios, encontra-se uma segunda dobra de pele, os pequenos lábios ou lábios menores. No topo dos pequenos lábios é possível visualizar o clitóris, área erógena de grande sensibilidade. Os pequenos lábios recobrem a

Fisiologia | Sistema Reprodutor Masculino

O sistema reprodutor masculino ou aparelho geniturinário, é assim denominado por ser compartilhado entre dois sistemas, o genital e o excretor ou urinário. Contudo, abordaremos a porção reprodutiva neste momento. Essa porção é composta pelo pênis e o escroto, externamente, e por órgãos internos como a próstata, testículos e ductos seminais. O pênis é o órgão de cópula, possuindo em sua extremidade uma porção dilatada, a glande. No interior do pênis existem três responsáveis pela ereção, dois corpos cavernosos, localizados lateralmente e, na porção mediana, o corpo esponjoso. Este último está posicionado ao redor da uretra. Com o estímulo sexual, os três corpos se enchem com sangue, promovendo assim, a ereção do pênis. O corpo esponjoso se estende na extremidade do pênis, formando a glande. Essa região possui grande sensibilidade à estimulação sexual e está protegida por uma camada de pele denominada prepúcio. Em algumas situações, o prepúcio é muito estreito para a passagem da

Zoologia | Morfologia de Insetos

Os insetos possuem uma grande variedade de estruturas corporais que se reflete em um incrível diversificação de formas e tamanhos. Neste artigo, abordaremos essa diversidade, expondo alguns dos tipos e funcionamentos dos aparelhos bucais, tipos de antenas, asas e pernas. Figura 1 - Anatomia externa da cabeça de um inseto. (Fonte: https://bit.ly/2OgnQow). Comecemos nossa descrição com os tipos de aparelhos bucais dos insetos, os quais são formados por uma série de estruturas denominadas Apêndices Bucais que possuem sensoriais e mecânicas relacionadas à alimentação. Tipos de aparelho bucal Mastigador - Possui mandíbulas, estruturas adaptadas ao corte e que podem ser superdesenvolvidas (Figura 1). Figura 2 - Aparelho bucal sugador labial não-pungitivo (A) e pungitivo (B). (Fonte: https://bit.ly/2qfgOXv). Sugador - Possui uma Probóscide, tubo formado pela união de duas peças maxilares modificadas. Esse aparelho pode ser Não-pungitivo (Figur