Cookie Consent by Free Privacy Policy website Fisiologia | Homeostase Pular para o conteúdo principal

Fisiologia | Homeostase

O corpo possui um equilíbrio interno que se mantém relativamente constante para o perfeito funcionamento do organismo. Esse equilíbrio é melhor conhecido como homeostase. Para que a homeostase ocorra, são necessárias várias interações entre os diversos tipos de tecidos e sistemas. Essa interação é realizada por meio de hormônios e líquidos presentes no corpo. Esses líquidos podem ser encontrados dentro ou fora das células e, por isso, são denominados de líquidos intra e extracelulares. 

Resultado de imagem para hormonios
Figura 1 - Moléculas.
(Fonte: https://bit.ly/2TzWjlL)

O líquido extracelular é composto por água, íons e nutrientes. Dentre os íons, destaca-se uma grande quantidade de sódio, cloreto e bicarbonato. Dentre os nutrientes, temos aminoácidos, carboidratos, ácidos graxos e oxigênio. Esse líquido está envolta das células, constituindo um ambiente único onde elas vivem, um meio interno (milieu intérieur). Termo foi criado à mais de 100 anos pelo fisiologista Claude Bernard .


Figura 2 - Claude Bernard.
(Fonte: https://bit.ly/2r4hcbw).

As 100 trilhões de células do corpo, das quais 25% são hemácias, estão inseridas nesse líquido rico em nutrientes, interagindo com ele. Nessa interação, as células absorvem os nutrientes de que necessitam e, em contrapartida, liberam os excretas que produzem como consequência do seu metabolismo. 

O líquido extracelular se movimenta pelo corpo, sendo transportado por meio de vasos sanguíneos ou, simplesmente, fluindo por entre as células, no espaço intercelular e, por isso, também pode ser denominado como líquido intersticial.

Para que os líquidos cheguem para os tecidos, eles devem atravessar a parede dos vasos. Isso só é possível em vasos sanguíneos com paredes extremamente finas, os capilares. A troca de fluídos entre os capilares e o espaço intercelular ocorre naturalmente. Os nutrientes se difundem do plasma sanguíneo para o líquido intersticial, enquanto os excretas realizam o caminho inverso.

Figura 3 - Capilares, vasos linfáticos e líquido intersticial.
(Fonte: https://bit.ly/2PQTY7F).

Para que a manutenção da homeostase ocorra, os nutrientes e excretas precisam ser repostos e eliminados, respectivamente. A reposição de nutrientes depende da atuação do sistema digestório e respiratório, pois são responsáveis pela digestão e pela hematose, ou seja, pela “quebra” de moléculas grandes em menores, para que estas possam ser absorvidas, e pelas trocas gasosas, respectivamente. Os nutrientes absorvidos pelo intestino, assim como o oxigênio captado nos pulmões, chegam até os tecidos do corpo pelo sangue.

No que se refere aos excretas nitrogenados, sua eliminação depende da atuação de outros órgãos, os rins. Eles são responsáveis por eliminar esses excretas, além de atuarem na eliminação do excesso de água e íons circundantes. Desta forma, os sistemas respiratório, digestório, circulatório e excretor são os responsáveis diretos pela manutenção da homeostase. Contudo, outros órgãos/sistemas regulam os funcionamento do organismo.

O fígado, por exemplo, atua junto no organismo auxiliando o processo digestório e realizando a metabolização de compostos nitrogenados, formando derivados menos tóxicos. Em outras palavras, esse órgão atua na desintoxicação do organismo.

O principal sistema que atua na regulação dos demais e, consequentemente na homeostase, é o nervoso. Esse sistema é composto por uma parte sensorial, outra integrativa e uma motora. Os receptores sensoriais são fundamentais para detectar as alterações fisiológicas do organismo, permitindo assim, uma resposta à alteração, ou seja, uma correção do estado fisiológico para manter a homeostase. 

A comunicação entre o sistema nervoso e os demais órgãos/sistemas do corpo se dá por meio de hormônios. Os hormônios são substâncias sinalizadoras que atua de forma especial, pois são produzidos e liberados no sangue com a finalidade de estimular células específicas, ou seja, estimulam células-alvo. Desta forma, o estímulo específico de células, órgãos ou sistemas, resulta em ações fisiológicas controladas que mantêm o equilíbrio interno do corpo, a homeostase.

Finalizo aqui este artigo, espero que seja proveitoso em seus estudos. Um grande abraço.


Referências

Hall, John E. Tratado de Fisiologia Médica. 12ª ed. Elsevier: Rio de Janeiro, 2011.

AMABIS, J.M.; MARTHO, G.R. Biologia: biologia dos organismos. 3ª Ed., vol. 1. Moderna: São Paulo, 2009.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisiologia | Sistema Reprodutor Masculino

O sistema reprodutor masculino ou aparelho geniturinário, é assim denominado por ser compartilhado entre dois sistemas, o genital e o excretor ou urinário. Contudo, abordaremos a porção reprodutiva neste momento. Essa porção é composta pelo pênis e o escroto, externamente, e por órgãos internos como a próstata, testículos e ductos seminais. O pênis é o órgão de cópula, possuindo em sua extremidade uma porção dilatada, a glande. No interior do pênis existem três responsáveis pela ereção, dois corpos cavernosos, localizados lateralmente e, na porção mediana, o corpo esponjoso. Este último está posicionado ao redor da uretra. Com o estímulo sexual, os três corpos se enchem com sangue, promovendo assim, a ereção do pênis. O corpo esponjoso se estende na extremidade do pênis, formando a glande. Essa região possui grande sensibilidade à estimulação sexual e está protegida por uma camada de pele denominada prepúcio. Em algumas situações, o prepúcio é muito estreito para a passagem da

Fisiologia | Sistema Reprodutor Feminino

Diferentemente do aparelho genitourinário masculino, o sistema feminino é destinado exclusivamente para a reprodução, pois a uretra feminina conduz apenas urina, ou seja, é uma estrutura do sistema urinário. Um canal independente é utilizado para a cópula e para a saída do feto durante o parto, o canal vaginal. Contudo, vamos iniciar nossos estudos com a anatomia externa do órgão reprodutivo feminino e, em seguida, passaremos para os órgãos internos. Na anatomia externa do sistema reprodutivo feminino, encontramos a vulva ou pudendo feminino. Esta estrutura corresponde à zona erógena do aparelho feminino, sendo formada por uma grande dobra de pele, os grandes lábios ou lábios maiores. Essa dobra de pele recobre as demais estruturas externas. Logo abaixo do grandes lábios, encontra-se uma segunda dobra de pele, os pequenos lábios ou lábios menores. No topo dos pequenos lábios é possível visualizar o clitóris, área erógena de grande sensibilidade. Os pequenos lábios recobrem a

Zoologia | Morfologia de Insetos

Os insetos possuem uma grande variedade de estruturas corporais que se reflete em um incrível diversificação de formas e tamanhos. Neste artigo, abordaremos essa diversidade, expondo alguns dos tipos e funcionamentos dos aparelhos bucais, tipos de antenas, asas e pernas. Figura 1 - Anatomia externa da cabeça de um inseto. (Fonte: https://bit.ly/2OgnQow). Comecemos nossa descrição com os tipos de aparelhos bucais dos insetos, os quais são formados por uma série de estruturas denominadas Apêndices Bucais que possuem sensoriais e mecânicas relacionadas à alimentação. Tipos de aparelho bucal Mastigador - Possui mandíbulas, estruturas adaptadas ao corte e que podem ser superdesenvolvidas (Figura 1). Figura 2 - Aparelho bucal sugador labial não-pungitivo (A) e pungitivo (B). (Fonte: https://bit.ly/2qfgOXv). Sugador - Possui uma Probóscide, tubo formado pela união de duas peças maxilares modificadas. Esse aparelho pode ser Não-pungitivo (Figur