Cookie Consent by Free Privacy Policy website Fisiologia | Sistema Cardiovascular Pular para o conteúdo principal

Fisiologia | Sistema Cardiovascular



O sistema cardiovascular é formado pelo coração e por uma vasta rede de vasos sanguíneos que se espalha por todo o organismo, levando nutrientes diretamente para quase todos os tecidos, excetuando-se o epitelial e o cartilaginoso, pois como vimos anteriormente, são avasculares. Essas estruturas desempenham um papel primordial para o funcionamento do sistema, pois atuam na propulsão e condução do sangue pelo corpo. Para entendermos esse processo, vamos começar pelo coração.

O coração humano é um órgão com quatro cavidades, dois átrios (aurículas) e dois ventrículos, sendo formado prioritariamente por tecido muscular, o miocárdio. Ele está localizado entre o esterno e a coluna vertebral, sobre o diafragma. Está posicionado na linha média da caixa torácica, tendo 2/3 da sua massa deslocada para a esquerda. Esse músculo possui contrações rítmicas, sendo rápidas e involuntárias.

O coração está envolto em uma estrutura em forma de saco, o pericárdio. Essa estrutura é composta por duas membranas, uma mais externa (fibrosa) e outra mais interna (serona). O pericárdio possui, ainda, ligamentos com o músculo diafragma e com o esterno que servirão para manter a posição do coração na caixa torácica.



Figura 1 - Coração e pericárdio.


No que diz respeito às contrações, o coração as realiza sempre em um único sentido, dos átrios para os ventrículos e, destes, para as demais partes do corpo. Para tal, existem valvas (válvulas) atrioventriculares (tricúspide e mitral) e as semilunares (pulmonar e aórtica), cuja a função é a de impedir o refluxo sanguíneo. Quando a contração ocorre, a ação retrógrada do sangue causa o fechamento das valvas, passivamente.

Para entendermos melhor o funcionamento dessas estruturas, vamos compreender o fluxo sanguíneo. Esse fluxo pode ser dividido em dois, a pequena circulação (pulmonar) e a grande circulação (sistêmica). A pequena circulação corresponde ao percurso realizado pelo sangue que sai do ventrículo direito e retorna ao coração no átrio esquerdo, passando pelos pulmões. A grande circulação, por sua vez, corresponde ao percurso realizado pelo sangue que sai do ventrículo esquerdo e retorna ao coração no átrio direito, passando por todos os tecidos do corpo.

Na circulação pulmonar, o sangue sai venoso do coração e retorna arterial, ou seja, rico em oxigênio, enquanto na circulação sistêmica, ocorre o inverso. É importante destacar que tanto artérias como veias conduzem sangue venoso e arterial, o que as diferencia é a estruturação e o sentido da condução do sangue, ou seja, se o estão levando ou trazendo sangue para o coração.



Figura 2 - Anatomia do coração.


Vasos que levam o sangue do coração são artérias, enquanto aqueles que trazem sangue ao coração são veias. Duas grandes artérias podem ser visualizadas no coração, a pulmonar e a aorta. A artéria pulmonar se bifurca em dois ramos principais, um para o pulmão esquerdo e outro para o direito, enquanto a artéria aorta forma 4 ramos, um mais calibroso que desce para irrigar os órgãos e membros inferiores e, outros três, que levam sangue para a cabeça e para os membros superiores, o braço esquerdo e o direito.

O sangue que retorna dos pulmões, chega ao coração por veias pulmonares, enquanto aquele que retorna das demais partes do corpo o faz por veias cavas, uma superior e outra inferior. Vale lembrar que essas veias chegam nos átrios do coração.



Figura 3 - Anatomia de artérias e veias.


Quando analisamos a anatomia das artérias e veias, podemos visualizar algumas diferenciações. Em geral, elas possuem as mesmas camadas de tecidos, exceto pela presença de camadas de tecido elástico na artérias e pela presença de valvas nas veias. O tecido elástico contribui para uma maior distensão das artérias, tendo em vista a maior pressão que sofrem com o bombeamento do sangue pelo coração. A válvulas das veias, por sua vez, atuam como aquelas do coração, ou seja, evitando o refluxo sanguíneo.

Tanto artérias quanto veias possuem musculatura lisa, o que demonstra a sua capacidade de contratilidade. Essa contratilidade é importantíssima nas veias para auxiliar o retorno do sangue ao coração. Contudo, quando nos movimentamos, a contração dos músculos esqueléticos também auxiliam nesse retorno do sangue. Durante a contração, as válvulas anteriores se fecham e as posteriores se abrem, direcionando o fluxo sanguíneo para o coração. No relaxamento, as válvulas anteriores se abrem, permitindo a entrada de novo sangue, enquanto as posteriores se fecham, aguardando a próxima contração para, então, abrirem.



Figura 4 - Ação da contração de músculos esqueléticos sobre veias.
(Fonte: Life - The Science of Biology. 7ª Ed., 2004)


Toda a coordenação do fluxo sanguíneo depende da contração rítmica do coração, essa contração é controlada por duas estruturas, o nó sinoatrial e o nó atrioventricular. O nó sinoatrial (sinusal) envia, simultaneamente, um sinal elétrico para os átrios e para o nó atrioventricular. Os átrios se contraem primeiro, enviando sangue para os ventrículos e, milisegundos depois, o nó atrioventricular repassa o sinal para os ventrículos, por meio do feixe de His, que se bifurca, formando um ramo direito e outro esquerdo. No final de cada ramo, existem ramificações menores, as fibras de Purkinje. Essas fibras repassam o sinal elétrico paras as células musculares dos ventrículos, fazendo com que a contração seja sincronizada.



Figura 5 - Nó sinusal, atrioventricular, feixe de Hiss e fibras de Purkinje.


A contração do coração caracteriza a sístole, enquanto o relaxamento, caracteriza a diástole. Dois sons podem ser percebidos no coração, o primeiro deles, é o da sístole atrial e, o segundo, o da sístole ventricular. O espaço de tempo entre o primeiro e o segundo som é de aproximadamente 0,3s. É importante ressaltar que durante a sístole atrial, ocorre a diástole ventricular, para este possa receber sangue.

O sangue que passa no interior do coração não consegue nutrí-lo, pois suas câmaras (átrios e ventrículos) possuem paredes espessas, o que impossibilita a difusão dos nutrientes. Como se dá, então, a nutrição do coração? Da mesma forma que coração bombeia sangue para os tecidos do corpo, ele o faz para si mesmo, bombeando sangue por meio de vasos denominados de coronárias.

O volume de sangue bombeado pela aorta, assim como a quantidade de sangue que flui pela circulação, é denominado débito cardíaco. A quantidade de sangue que flui pelas veias, retornando ao átrio direito, é designada como retorno venoso. O débito cardíaco de um homem saudável e jovem é aproximadamente 5,6 L/min. Em mulheres, temos um volume de 4,9 L/min. Os valores de débito cardíaco podem mudar de acordo com idade, atividade física, metabolismo basal e dimensões do corpo da pessoa.


Hormônio Natriurético

Também designado com peptídeo natriurético atrial (do inglês atrial natriuretic peptide) ou ANP. Esse peptídeo é secretado pelas células musculares cardíacas atriais, visando a normalização da volemia sanguínea e da pressão arterial quando a musculatura cardíaca está excessivamente distendida.


Referências Bibliográficas

HALL, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 12ª ed. Elsevier: Rio de Janeiro, 2011.

AMABIS, J.M.; MARTHO, G.R. Biologia: biologia dos organismos. 3ª Ed., vol. 2. Moderna: São Paulo, 2009.

PAULSEN, F.; WASCHKE, J. Sobotta: Atlas de Anatomia Humana. 21ª Ed. Guanabara Koogan S.A: Rio de Janeiro, 2000




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fisiologia | Sistema Reprodutor Feminino

Diferentemente do aparelho genitourinário masculino, o sistema feminino é destinado exclusivamente para a reprodução, pois a uretra feminina conduz apenas urina, ou seja, é uma estrutura do sistema urinário. Um canal independente é utilizado para a cópula e para a saída do feto durante o parto, o canal vaginal. Contudo, vamos iniciar nossos estudos com a anatomia externa do órgão reprodutivo feminino e, em seguida, passaremos para os órgãos internos. Na anatomia externa do sistema reprodutivo feminino, encontramos a vulva ou pudendo feminino. Esta estrutura corresponde à zona erógena do aparelho feminino, sendo formada por uma grande dobra de pele, os grandes lábios ou lábios maiores. Essa dobra de pele recobre as demais estruturas externas. Logo abaixo do grandes lábios, encontra-se uma segunda dobra de pele, os pequenos lábios ou lábios menores. No topo dos pequenos lábios é possível visualizar o clitóris, área erógena de grande sensibilidade. Os pequenos lábios recobrem a

Fisiologia | Sistema Reprodutor Masculino

O sistema reprodutor masculino ou aparelho geniturinário, é assim denominado por ser compartilhado entre dois sistemas, o genital e o excretor ou urinário. Contudo, abordaremos a porção reprodutiva neste momento. Essa porção é composta pelo pênis e o escroto, externamente, e por órgãos internos como a próstata, testículos e ductos seminais. O pênis é o órgão de cópula, possuindo em sua extremidade uma porção dilatada, a glande. No interior do pênis existem três responsáveis pela ereção, dois corpos cavernosos, localizados lateralmente e, na porção mediana, o corpo esponjoso. Este último está posicionado ao redor da uretra. Com o estímulo sexual, os três corpos se enchem com sangue, promovendo assim, a ereção do pênis. O corpo esponjoso se estende na extremidade do pênis, formando a glande. Essa região possui grande sensibilidade à estimulação sexual e está protegida por uma camada de pele denominada prepúcio. Em algumas situações, o prepúcio é muito estreito para a passagem da

Zoologia | Morfologia de Insetos

Os insetos possuem uma grande variedade de estruturas corporais que se reflete em um incrível diversificação de formas e tamanhos. Neste artigo, abordaremos essa diversidade, expondo alguns dos tipos e funcionamentos dos aparelhos bucais, tipos de antenas, asas e pernas. Figura 1 - Anatomia externa da cabeça de um inseto. (Fonte: https://bit.ly/2OgnQow). Comecemos nossa descrição com os tipos de aparelhos bucais dos insetos, os quais são formados por uma série de estruturas denominadas Apêndices Bucais que possuem sensoriais e mecânicas relacionadas à alimentação. Tipos de aparelho bucal Mastigador - Possui mandíbulas, estruturas adaptadas ao corte e que podem ser superdesenvolvidas (Figura 1). Figura 2 - Aparelho bucal sugador labial não-pungitivo (A) e pungitivo (B). (Fonte: https://bit.ly/2qfgOXv). Sugador - Possui uma Probóscide, tubo formado pela união de duas peças maxilares modificadas. Esse aparelho pode ser Não-pungitivo (Figur